Tratamento 04 de dez, 2021

Alcoolismo: qual é o tratamento mais adequado para essa doença?

A bebida alcoólica é capaz de proporcionar muitos danos à saúde, principalmente quando é consumida de maneira desordenada e excessiva. O alcoolismo é uma das consequências do uso abusivo desse tipo de substância. O álcool, dentre outros elementos, intoxica o organismo, desregulando o funcionamento de vários órgãos. Assim, depois que uma pessoa se acostuma com […]

A bebida alcoólica é capaz de proporcionar muitos danos à saúde, principalmente quando é consumida de maneira desordenada e excessiva. O alcoolismo é uma das consequências do uso abusivo desse tipo de substância.

O álcool, dentre outros elementos, intoxica o organismo, desregulando o funcionamento de vários órgãos. Assim, depois que uma pessoa se acostuma com o uso excessivo de bebidas alcoólicas, passa por diversos sintomas desagradáveis de abstinência ao se afastar da substância.

É por isso que a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece o alcoolismo como uma doença.

Mas, então, como tratar essa doença que pode trazer sérios problemas para a saúde, o ambiente familiar e a qualidade de vida de uma pessoa? Acompanhe este post e entenda mais sobre o assunto!

O que é o alcoolismo?

O alcoolismo é uma doença relacionada ao consumo descontrolado, progressivo e frequente de bebidas alcoólicas, que podem ser consideradas drogas de abuso. Apesar de serem legalizadas, essas substâncias podem acarretar vários transtornos, agindo em diversas áreas do cérebro e do organismo.

De acordo com a Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (ABEAD), mais de 12% da população sofre de alcoolismo. Além disso, com a quarentena devido à pandemia de coronavírus, houve um aumento considerável no volume de compras de bebidas alcoólicas.

Uso abusivo de álcool

Como saber se o consumo de álcool está se tornando abusivo? Socialmente, bebidas com teor alcoólico são aceitas. Por conta disso, muitos indivíduos têm dificuldade de saber quando estão exagerando no uso dessas substâncias e quando estão bebendo de forma moderada.

Desse modo, é preciso ressaltar que cada organismo tem uma reação diferente às bebidas alcoólicas. Algumas pessoas são mais sensíveis ao álcool, por isso, sentem os efeitos mais rapidamente e de forma mais intensa. No entanto, existe uma quantidade moderada dentro dos padrões recomendados, que no Brasil é de 14 g de etanol — cerca de 2 doses para homens (o que equivale a 2 latas de cerveja) e 1 dose para mulheres.

O uso constante e compulsivo acima da quantidade moderada aumenta as chances de uma pessoa se tornar alcoólatra — ou alcoolista, termo orientado para evitar colocar a responsabilidade da doença no paciente que sofre com ela. Alguns sinais que apontam que um indivíduo está desenvolvendo essa síndrome são:

  • intensa vontade de consumir álcool;
  • problemas para definir limites de ingestão de bebidas alcoólicas — geralmente, uma pessoa alcoolista só para de beber quando já se encontra bêbada;
  • mudanças evidentes de comportamento com a redução do consumo de álcool;
  • necessidade crescente de aumentar as doses consumidas de álcool;
  • diminuição do interesse em atividades cotidianas relacionadas ao trabalho, lazer, estudos e família.

Quais são as consequências do uso abusivo de álcool?

O consumo exagerado de bebidas alcoólicas pode trazer consequências a curto, médio e longo prazo. Para entender melhor esse contexto, vale lembrar que elas são produzidas por meio do etanol, fabricado a partir da fermentação dos açúcares presentes em vegetais como a cana-de-açúcar, milho e mandioca.

Essa substância passa por todo o sistema gastrointestinal, sendo absorvida no intestino e metabolizada no fígado. Depois desse processo, as moléculas de álcool entram para a corrente sanguínea e são levadas para o cérebro.

É quando o álcool atinge esse órgão que os efeitos são sentidos. Euforia, desinibição e relaxamento são alguns dos resultados do consumo de bebidas alcoólicas, assim como a diminuição dos reflexos, aumento da impulsividade, dificuldade de manter o equilíbrio e alterações na memória e no raciocínio.

A sensação de bem-estar e a possibilidade de combater o estresse momentâneas levam às pessoas a consumirem esse tipo de droga. A seguir, veja quais são as consequências do uso abusivo de álcool a curto e longo prazo.

Curto prazo

Os primeiros sintomas provocados pela intoxicação alcoólica por conta dos altos níveis de álcool no sangue podem ser percebidos pela:

  • lentidão na fala;
  • redução do controle motor;
  • mudanças bruscas de humor;
  • dificuldade de manter o raciocínio e a capacidade de julgamento;
  • aumento da frequência cardíaca.

Apenas um episódio de consumo abusivo de álcool já pode trazer problemas para uma pessoa, como brigas por conta da instabilidade de humor, crises de ansiedade e depressão pela desregulação do equilíbrio do cérebro, acidentes de trânsito devido à diminuição dos reflexos — por isso, é fundamental evitar dirigir veículos em estado de alcoolização —, entre várias outras consequências.

Longo prazo

A longo prazo, os prejuízos à saúde mental e física são ainda maiores. Como, ao ser ingerido, o álcool passa primeiramente pelo estômago, esse é o primeiro órgão afetado. A substância interfere na acidez do suco gástrico, podendo provocar gastrite e úlcera quando consumida frequentemente.

Logo em seguida, chega ao fígado, que dá preferência pela metabolização da substância para evitar a intoxicação severa do corpo. Desse modo, quando há o uso abusivo do álcool, o órgão fica sobrecarregado — especialmente se isso é feito junto com o consumo de medicamentos orais, que é outra prática que deve ser totalmente evitada. Como resultado a longo prazo, podem surgir doenças como cirrose e hepatite alcoólica.

Já no cérebro, as consequências podem ser comportamentais e fisiológicas. Problemas motores, imunidade baixa, aumento da pressão arterial, depressão, psicose, demência, impulsividade, insônia, disfunção erétil e ejaculação precoce são apenas alguns exemplos.

Em que momento a ajuda profissional é necessária?

A ajuda profissional é necessária a partir do momento em que o indivíduo que sofre de alcoolismo ou as pessoas em sua volta começam a ser afetadas pela doença. A família tem a importante função de oferecer apoio e incentivo para a solução do problema.

Afinal, um dos primeiros desafios será fazer com que o paciente reconheça que tem problema com o consumo de álcool. Em seguida, podem surgir a resistência em pedir ajuda e a tentativa de melhorar por conta própria.

No entanto, um dos efeitos da diminuição ou interrupção do consumo de álcool é a abstinência, que causa diversos desconfortos e aumenta o desejo de ingerir ainda mais bebidas alcoólicas. Por conta disso, é fundamental que haja um profissional para acompanhar o tratamento.

Qual é o tratamento indicado?

Os tratamentos para alcoolismo podem ser realizados dentro de casa, em ambulatórios ou em hospitais. Tudo vai depender do quadro que a pessoa apresenta. De início, será necessária a desintoxicação do corpo, fazendo a retirada do álcool de forma responsável e segura.

Em seguida, podem ser oferecidos medicamentos para controlar o desejo de consumo de álcool durante a fase de abstinência. Por fim, é realizado o acompanhamento psicológico, a fim de ajudar a lidar com os motivos que provocaram o alcoolismo e evitar recaídas.

Esta última fase é contínua, tendo em vista que essa doença não tem cura. No entanto, com um tratamento eficaz e uma forte rede de apoio, é possível se ver livre do alcoolismo e ter mais qualidade de vida.

Este post foi interessante para você? Então, compartilhe nas suas redes sociais para que mais pessoas fiquem por dentro do assunto!

Cartão de TODOS

Redator

Cartão de TODOS e os cookies: a gente usa cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Olá! Como podemos ajudar?